Isabel Soveral – Concerto Monográfico An Autumn Night’s Dream

Isabel SoveralA Isabel Soveral, compositora, será dedicado, no próximo dia 3 de Novembro, às 21:30 horas, no Auditório do Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro, um Concerto Monográfico, “An Autumn Night’s Dream“, onde estreará uma obra inspirada em textos de Shakespeare e dedicada a Frances M. Lynch, excepcional soprano, que se deslocará para interpretar, ela própria com o seu ‘Electric Voice Theatre‘, todo o concerto.
Este concerto monográfico está inserido no ‘Festivais de Outono 2011‘, sob a direcção artística de António Chagas Rosa, que decorre em Aveiro, entre os dias 4 de Outubro e 18 de Novembro, tendo a edição deste ano como figura de destaque o compositor português Frederico de Freitas (1902-1980).
Frances M LynchSó a rara oportunidade de ouvir Frances M Lynch a actuar em Portugal seria motivo bastante para justificar a presença no “An Autumn Night’s Dream”.

ficha técnica:

Compositora – Isabel Soveral
Voz – Frances M Lynch
Encenação – Paulo Bernardino
Fotografia – Sofia Moraes e Miguel Ribeiro
Textos: Sonetos de Shakespeare
Electric Voice Theatre e Departamento de Comunicação e Arte

Ordem de apresentação dos sonetos:

Soneto nº 64 – When I have seen by time´s fel hand defaced…
Soneto nº 76 – Why is my verse so barren of new pride…
Soneto nº 59 – If there be nothing new, but that which is…
Soneto nº 107 – Not my own fears, nor the prophetic soul…
Soneto nº 65 – Since brass, nor stone, nor earth, nor boundless sea…
Soneto nº 14 – Not from the stars do I my judgement pluck…

Texto de Isabel Soveral sobre o concerto:

‘Why is my verse so barren o f new pride…’ é uma peça que pertence a um ciclo mais vasto de obras com textos de Shakespeare. Este ciclo caracteriza-se por um trabalho de composição para voz e electrónica. No caso do espetáculo ‘An Autumn Night’s Dream’, duas obras deste ciclo são intercaladas por outros sonetos recitados ao vivo.
Foi criada música electrónica para todo o concerto, que tem também uma vertente cénica criada pelo escultor Paulo Bernardino. As obras cantadas foram dedicadas a Frances M Lynch que será a intérprete de todo este espetáculo.
A obra ‘Why is my verse so barren o f new pride…’ é uma encomenda dos Festivais de Outono.

Isabel Soveral

Publicado em DiFundART, Electric Voice Theatre, Frances M Lynch, Isabel Soveral, Música, Música Contemporânea | Etiquetas , , , , , , | Publicar um comentário

Orquestra Metropolitana de Inclusão – Concerto Inaugural

Orquestra Metropolitana de InclusaoA Orquestra Metropolitana de Inclusão apresenta-se em concerto pela primeira vez no próximo Sábado, dia 30 de Abril às 17:00 horas, no auditório da Fundação Eng. António de Almeida, no Porto.
Este concerto inaugural é a concretização visível e pública de um longo e amplo trabalho no âmbito da Educação Artística e do Ensino Artístico Especializado de Música por parte da Orquestra Juvenil de Gaia e do Curso de Música Silva Monteiro, que envolve 150 crianças e jovens oriundos de ‘escolas TEIP’ inseridas em contextos desfavorecidos e complicados como os bairros do Cerco, Viso, Aleixo, Santa Marinha, Canidelo, Soares dos Reis, Candal e Vila d’Este e cerca de 20 professores.
Trata-se de um momento ímpar na história do Ensino Artístico Especializado de Música no Porto, onde se tenta levar a cabo as lições que Jose Antonio Abreu nos legou através do seu pioneiro projecto, El Sistema, iniciado em 1975 na Venezuela.

Deixo o texto de apresentação da Orquestra Metropolitana de Inclusão da autoria conjunta da ‘Orquestra Juvenil de Gaia’ e do ‘Curso de Música Silva Monteiro’:

ORQUESTRA METROPOLITANA DE INCLUSÃO
OMI
2011

A Orquestra constitui-se num privilegiado espaço de aprendizagem e de convívio, numa partilha de música, de estantes, de partituras, de afectos e de sensibilidades. As crianças e os jovens, principalmente, aqueles sem grandes possibilidades de acesso à prática colectiva de música, encontram na Orquestra um modo de transformação das suas vidas, em que os sonhos passam a ser resgate social e cultural e o seu futuro a oportunidade de participação pela multiplicação transformadora de saberes e experiências.

Por tal, a Orquestra Juvenil de Gaia e o Curso de Música Silva Monteiro, porque alicerçados em experiências de inclusão musical, entenderam que valia a pena traçar linhas de formação do cidadão mais pequeno, a partir da prática orquestral, potenciando a redução de riscos sociais e a evasão escolar e promovendo a valorização de habilidades e de talentos. A Orquestra Metropolitana de Inclusão do Porto, porque alarga o espectro de participação a dois municípios que o rio une, deseja construir uma trilha em direcção ao mundo mágico da música, em que o guião é preenchido por estórias de vidas impactantes e impressionantes dos seus pequenos participantes e a banda sonora pelo ecoar de sons e imagens.

A reunião de várias práticas desenvolvidas em Vila Nova de Gaia e no Porto, através do Curso de Música Silva Monteiro em colaboração com a Fundação Porto Social, possibilitou que cerca de 150 crianças e jovens, muitas das quais oriundas de agrupamentos TEIP inseridos em contextos desfavorecidos e complicados, dos bairros e escolas do Cerco, Viso, Aleixo, Santa Marinha, Canidelo, Soares dos Reis, Candal, Vila d’Este, pudessem participar numa iniciativa musical alargada, juntando um mar sinfónico de instrumentos, ao se prepararem para um concerto conjunto a ter lugar nas instalações da Fundação Eng. António de Almeida. Uma equipa de cerca de duas dezenas de professores, o talento dos participantes e o apoio de parceiros como a Fundação Porto Social e a Fundação Eng. António de Almeida formam o tríptico essencial ao desenvolvimento do projecto, que o futuro saberá, certamente, cuidar e ampliar.

OJGaia
CMSM
2011

Publicado em Curso de Música Silva Moteiro, DiFundART, Educação, Educação Artística, El Sistema, Ensino Artístico Especializado, Jose Antonio Abreu, Música, Orquestra Juvenil de Gaia, Orquestra Metropolitana de Inclusão | Etiquetas , , , , , , , , , | Publicar um comentário

Internacionalização de Compositores Portugueses – boas práticas

Academia de Musica Fernandes FaoCinquenta alunos (50) da Academia de Música Fernandes Fão, de Vila Praia de Âncora, partem hoje para Barcelona para se apresentarem em dois concertos, a 16 e 18 de Abril, na ‘Escola de Música e Dança de Sant Cugat’, onde interpretarão, exclusivamente, obras de compositores portugueses, em formação de coro e orquestra de cordas, no primeiro dia, e com solistas, no segundo.
Este projecto realiza-se num instituído programa de intercâmbio entre aquelas duas escolas, cumprindo um dos principais objectivos da Academia de Música Fernandes Fão – difundir a música e os compositores portugueses e a nossa cultura musical, nas suas várias vertentes.
Assim, a 16 de Abril, pelas 19:00 horas, na Aula Magna de Sant Cugat, o Coro interpretará obras de Zeca Afonso, Rui Reininho e Fernando Lapa, bem como algumas canções tradicionais portuguesas e a orquestra apresentará Carlos Seixas, Vianna da Motta e Francisco Lacerda.
No dia 18, no Auditório de Fusió, pelas 19:30 horas, serão tocadas obras de António Pinho Vargas, Frederico de Freitas, Ivo Cruz, Carlos Seixas, Fernando Lopes-Graça, Luiz Costa, Armando José Fernandes e António Vitorino d’Almeida.
Publicado em Academia de Música Fernandes Fão, Compositores Portugueses, Educação Artística, Ensino Artístico Especializado, Música, Música Clássica | Etiquetas , , , , , , | 6 Comentários

Academia de Música Fernandes Fão incentiva Jovens Talentos

A Academia de Música Fernandes Fão promove, entre 8 e 13 de Abril, duas iniciativas conducentes à descoberta e promoção de pequenos e jovens talentos – a 8ª edição do “Concurso Ibérico de PIANO do Alto Minho” e a 7ª do “Festival da Primavera“, que decorrerão no seu Auditório, em Vila Praia de Âncora, com o apoio da Câmara Municipal de Caminha.
Como é já tradição a Academia de Música Fernandes Fão dedica estes dois eventos a um jovem compositor, recaindo nas edições deste ano a escolha em Pedro Santos.

Concurso Ibérico de Piano do Alto Minho - 8 ediçãoO 8º Concurso Ibérico de PIANO do Alto Minho (CIPAM, designação que se adoptará) tem como Presidente Honorário António Victorino d’Almeida e como Directores Artísticos Eugénia Moura e Álvaro Teixeira Lopes. O júri será composto pelos referidos dois Directores Artísticos em conjunto com Asunción Codina, Carlos Lama, Rodolfo Rubino e o compositor homenageado, Pedro Santos.
A estrutura do CIPAM demonstra a preocupação da organização em alargar a presença e dar amplo espaço de intervenção ao maior número possível de crianças, adolescentes e jovens ao dividir em 5 níveis etários a prestação de provas e o acesso a prémios – Classe A, até aos 8 anos; Classe B, até aos 10; a C, até aos 13; a Classe D, até aos 16; por fim a Classe E, até aos 21. De salientar que em todas as classes é obrigatória uma peça de Pedro Santos nas Provas Eliminatórias, forma de dar a conhecer e criar o hábito, aos estudantes e público, de interpretar o de ouvir obras de compositores portugueses. (ver programa completo em pdf)

Festival da Primavera - 7 ediçãoParalelamente ao CIPAM decorrerá o 7º Festival da Primavera que, mantendo a missão prima da Academia de Música Fernandes Fão – promover pequenos e jovens talentos – proporciona 6 Concertos e 1 Conferência a eles plenamente dedicados.
A Sessão de Abertura do Concurso e do Festival, dia 8 de Abril, às 18:30 horas, será preenchida por um Concerto / Conferência, «Criação, Edição e Divulgação de Compositores Portugueses», dividida em duas partes complementares: a I Parte será preenchida por uma Conferência com Manuela Paraíso e Carlos Araújo Alves que dialogarão sobre o tema proposto, com a moderação de Eugénia Moura; a II Parte é exclusivamente dedicada à interpretação de obras do jovem compositor homenageado, Pedro Santos, por ele apresentadas e comentadas.
Nos dias seguintes, de 9 a 12 de Abril, às 18:30 horas, haverá concertos interpretados por jovens premiados em anteriores concursos e por alunos da Academia de Música Fernandes Fão:
Dia 9, o Concerto “Jovens Talentos I“, pelos pelos Laureados do 7º Concurso Ibérico de Piano do Alto Minho 2010; dia 10, o Concerto “Jovens Talentos II“, pelos Laureados do Concurso de Santa Cecília 2010; dia 11, o Concerto “Jovens Talentos III“, pelos Laureados do 7º Concurso Ibérico de Piano do Alto Minho 2010; dia 12, o Concerto “Tempo de Amar… Música de Câmara“, pela Orquestra de Cordas da Academia de Música Fernandes Fão e Piano.
O “Concerto de Encerramento” ocorrerá a 13 de Abril, às 15:00 horas, pelos Laureados do presente concurso, o 8º Concurso Ibérico de Piano do Alto Minho 2011.

ps: Mais informações no ciberespaço

Academia de Música Fernandes Fão
8º Concurso Ibérico de Piano do Alto Minho
Academia de Música Fernandes Fão – blog
7º Festival da Primavera – facebook
8º Concurso Ibérico de Piano do Alto Minho – facebook
Conferência / Concerto «Criação, Edição e Divulgação de Compositores Portugueses» – facebook
Academia de Música Fernandes Fão – facebook
AMFF divulgação – facebook
DiFundART – facebook


Publicado em Academia de Música Fernandes Fão, Álvaro Teixeira Lopes, Compositores Portugueses, Concurso Ibérico de Piano do Alto Minho, DiFundART, Educação Artística, Ensino Artístico Especializado, Eugénia Moura, Festival da Primavera, Música, Música Clássica | Etiquetas , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

Academia de Música Fernandes Fão no Alto Minho

Academia de Musica Fernandes FaoA Academia de Música Fernandes Fão – AMFF, nascida em 1989, com sede em Vila Praia de Âncora (ver historial), assumiu, desde logo, a sua vocação para o ensino artístico especializado, reconhecida pelo Ministério da Educação e com paralelismo pedagógico, sendo um motor de dinamização cultural da região onde se insere, onde tem vindo a corresponder aos objectivos que estiveram subjacentes à sua constituição. Em 2007, a Instituição alargou o seu âmbito de actuação, com a criação do Pólo de Ponte de Lima.
Actualmente, implicada em diferentes projectos, a AMFF abrange cerca de 1.200 alunos de Jardins-de-Infância, 2.600 alunos em ‘Actividades de Enriquecimento Curricular’ e 600 alunos em ‘Ensino Especializado de Música’, vulgo Conservatório.
Sob a liderança de Eugénia Moura, a AMFF conta hoje com uma Direcção e um Corpo Docente coesos, permitindo promover, de forma sustentada, a sua pretensão de levar por diante o seu principal desígnio – o desenvolvimento de relações interinstitucionais, nacionais e estrangeiras, no sentido de optimizar os recursos, promovendo a música e fazendo-a chegar ao maior número possível de pessoas – seja através de actividades pedagógicas, seja através de programações culturais, já hoje de referência em toda a Região do Alto Minho.

Iniciativas abrangentes e multidisciplinares envolventes de toda a região salientamos o Concurso Ibérico de Piano do Alto Minho – CIPAM, que cumprirá esta ano a sua 8ª edição, o Festival da Primavera, a 7ª edição e o Festival Percursos da Música que decorre durante quase todo o mês de Julho, com diversas e variadas intervenções culturais, dos quais, em breve, daremos nota detalhada.

No âmbito das actividades pedagógicas relevamos duas iniciativas da AMFF em particular, produções que envolveram alunos e professores de Vila Praia de Âncora e Ponte de Lima, os Saltimbancos e Música no Coração, ambas apresentadas no ‘Teatro Diogo Bernardes’ em Ponte de Lima, com lotações esgotadas durante mais de uma semana em cena.

A relevância da Academia de Música Fernandes Fão para o ensino da música e para a dinamização cultural da Região do Alto Minho impõe que, muito em breve, nos detenhamos com minúcia em cada um dos seus projectos.

ps: Academia de Música Fernandes Fão no ciberespaço: Sítio; Blogue; Facebook.

Publicado em Academia de Música Fernandes Fão, DiFundART, Educação, Educação Artística, Ensino Artístico Especializado, Música | Etiquetas , , , , , | Publicar um comentário